sábado, 6 de setembro de 2014

Behemoth - The Satanist (2014)


É certo que eu não sou a pessoa mais indicada para uma análise mais profunda de The Satanist,lançamento mais recente da banda polonesa Behemoth. Do black metal conheço pouco sobre o estilo, acompanhando com interesse maior pouquíssimas bandas, como o Mayhem, um de seus maiores expoentes. 

Mas, meu amigo, que pedrada é essa lançada por Nergal e companhia? Parece que o cara buscou forças das profundezas do inferno – aliás, título mais apropriado impossível – após seus graves problemas de saúde que culminaram em um sério transplante de medula. Pois bem, o cara se recuperou e ao longo das nove músicas que compõem os quase 45 minutos desse disco, é perceptível a crueza e a ausência das fanfarronices orquestrais da escola Dimmu Borgir do black metal sinfônico. 

É uma porrada atrás da outra, soando como se a banda tivesse algo a provar após seu período de inatividade. Timbres de guitarra na cara, os já tradicionais blast beats, uma produção absurdamente cristalina – quem disse que black metal é sinônimo de produção tosca e instrumentos mal tocados? – e Nergal cantando como se fosse uma criança (possuída pelo capiroto, claro). Entre os destaques, vale destacar “Furor Divinus”, a hipnótica “Amem” , “The Satanist”, a faixa título - que começa cadenciada pra cair num verdadeiro pandemônio sonoro - e “In the Absence Ov Light”. 

A banda conseguiu com esse lançamento despertar meu interesse em pesquisar mais a fundo sobre sua discografia, mas como dizem por aí, a primeira impressão é a que fica. E que impressão! 

Musicas:
1 - Blow Your Trumpets Gabriel
2 - Furor Divinus
3 - Messe Noire
4 - Ora Pro Nobid Lucifer
5 - Amen
6 - The Satanist
7  -Ben Sahar
8 - In the Absence ov Light
9 - O Father O Satan O Sun!



Por Tiago Neves
(Texto originalmente publicado na seção Veredito Collectors Room em 02 de março de 2014)