terça-feira, 30 de setembro de 2014

O Rock in Rio caminha em círculos


Alguns minutos depois de ler pelas redes sociais que Katy Perry foi a primeira atração confirmada para o festival Rock in Rio Brasil 2015 (sim, é importante incluir o nome país, pois há algum tempo a marca se tornou um produto tipo exportação), me peguei pensando em como devem ser as negociações com os artistas que tocam no festival. Antes mesmo que sejam confirmadas mais bandas - logo após a primeira, veio também a confirmação do cantor John Legend e alguns dias depois, também foi confirmado a banda Nightwish - já imagino quais bandas também podem estar voltando para tocar no evento do Medina pela segunda, terceira ou enésima vez. E, fazendo uma breve análise, parece que não é tão difícil assim arriscar uns palpites.

Vejamos, a estrela pop teen já esteve na edição de 2011 em terras tupiniquins. Antes e depois dela, várias outras bandas também repetiram ou repetirão a dose, seja aqui, em Lisboa, em Madri ou na inédita edição que acontecerá em Las Vegas, nos Estados Unidos. Para ficar mais fácil de analisar, fiz uma lista e enumerei as atrações que participaram ou participarão em mais de uma edição do RIR. E a lista é extensa, com um total de 73 nomes. Ordenei-os pelo número de shows realizados somando-se todas as edições do festival em qualquer território. E a julgar pelos artistas já confirmadas para esta última, podemos ter a exata perspectiva do que estou querendo afirmar. Vejamos:

09 participações - Ivete Sangalo;

08 participações - Metallica;

05 participações - Capital Inicial, Sepultura e Xutos e Pontapés;

04 participações - Guns N' Roses, Lenny Kravitz, Linkin Park, Red Hot Chilli Peppers e Shakira;

03 participações - Alejandro Sanz, Bon Jovi, David Guetta, Elba Ramalho, Evanescence, Iron Maiden, Jota Quest, Moraes Moreira, Motörhead, Muse, Rui Veloso, Sting e The Offspring;

02 participações - Alanis Morissette, Alceu Valença, Alicia Keys, Amy MacDonald, Amy Winehouse, Barão Vermelho, Britney Spears, Bruce Springsteen, Carlinhos Brown, Carlos Santana, Daniela Mercury, Deftones, Detonautas Roque Clube, Elton John, Engenheiros do Hawaii, Foo Fighters, Frejat, Gilberto Gil, Ivan Lins, James Taylor, Jessie J, John Legend, John Mayer, Joss Stone, Justin Timberlake, Katy Perry, Kid Abelha, Maná, Maroon 5, Mc Fly, Miley Cyrus, Milton Nascimento, Moonspell, Neil Young, Orishas, Os Paralamas do Sucesso, Pepeu Gomes, Pitty, Queens of The Stone Age, Rihanna, Rod Stewart, Sheryl Crow, Skank, Slipknot, Snow Patrol, Stevie Wonder, Tambours Du Bronx, Tiesto, Titãs e Tokio Hotel.

Entenderam? Olhando a lista acima, vemos claramente como o festival caminha em círculos, em torno do próprio rabo, repetindo atrações, em uma espécie de "contrato vitalício" com alguns artistas, como Ivete Sangalo, Metallica, Capital Inicial e Sepultura. Inclusive, esse último esteve no dia 26 de setembro na cerimônia organizada para iniciar a celebração dos trinta anos do festival na Times Square, em Nova York. Junto a eles, No Doubt e John Mayer, que coincidentemente (ou não) participou da última edição do festival no Brasil ano passado e também em 2010, em Lisboa.

Há poucos dias, relembrei com orgulho aqui no blog os dias em que estive no festival ano passado, nos dias 19 e nos dias 22, bem como minha luta para comprar os benditos ingressos (você pode relê-los aquiaqui e aqui). Vi o Maiden, que já participou aqui em 1985 e 2001, e também o Metallica, que havia tocado na edição imediatamente anterior, em 2011). Sem falar no Sepultura, que tocou no palco Mundo no dia 19 e no Sunset no dia 22 do mesmo festival. Não reclamei em nenhum momento, mas um pouquinho de bom senso por parte dos Medina para evitar repetir atrações tão frequentemente assim não faz nenhum mal, né?

Se bem que para os fãs, pouco importa se o Metallica repetiu praticamente o mesmo setlist em duas edições seguidas, assim como faz em todo show por aqui, seja no Rock in Rio ou não. Nem mesmo se a banda de Steve Harris apresentou no último festival um show que relembra uma turnê da banda de 1988. Eu não me importei, pois era marinheiro de primeira viagem em ambos os shows, mas não aguentaria ver uma mesma apresentação de qualquer um deles com repertório semelhante. Mas já disseram por aí que todo fã é idiota, né? Quem sou eu pra discordar.

Como se não houvessem outras atrações em condições de ocupar as manchetes no palco principal, o fato é que no próximo Rock In Rio do Brasil é certo encontrarmos várias figurinhas repetidas das quais citei algumas acima. Aguardemos as próximas confirmações. Guns? Ivete? Red Hot? O próprio Metallica retornando pela terceira vez seguida? Mais do que especulações, são atrações muito possíveis de serem verídicas, se olharmos unicamente pelos critérios de Roberto Medina para a escolha do cast principal do festival.

Aguardemos os próximos capítulos!

Por Tiago Neves